A propaganda de motel


Muito se discute sobre como ampliar nossa fatia do bolo no mercado consumidor, sobre como é possível atrair mais gente para frequentar os nossos motéis. No entanto, em vez de mirar no consumidor que não frequenta motéis, o que viemos fazendo ao longo dos anos foi somente “disputar” uns com os outros por uma fatia que está ficando cada vez menor.

Quero, ao longo deste texto, levantar uma reflexão sobre um pontode atrito que pode ser um dos causadores desse cenário: nossa comunicação. O avanço da tecnologia – somado ao acesso e à rapidez da informação – geraram, nas últimas duas décadas em especial, uma grande transformação cultural e comportamental, que impactaram diretamente no modo como as pessoas consomem. E, entendendo isso, nós também colocamos as mãos à obra e mudamos as nossas suítes, adequamos a nossa gastronomia e investimos na melhoria do nosso atendimento. Mas e a nossa comunicação, será que evoluiu na mesma proporção que o restante?

Quando pergunto isso, não quero dizer que você tem que ter um site, uma fanpage no Facebook ou trocar o logotipo do seu motel.  Estou querendo chamar a atenção essencialmente em COMO estamos vendendo nosso produto. Na associação, além de recebermos diversas propagandas de todo o Brasil, estamos sempre monitorando e pesquisando a comunicação dos motéis. O que vemos são muitas propagandas que mais diminuem o motel do que atraem clientes. E é aí que entra aquela história lá de cima que fala sobre a fatia do bolo cada vez menor. Como vamos aumentá-la se não soubermos vender o nosso produto?

Muitas pessoas dizem ter preconceito com motel e nos veem como um serviço de má qualidade – isso cria um bloqueio na visão de motel como opção de lazer e entretenimento.  Em vez de focarmos em reverter essa ideia pré-concebida e atrair esse consumidor mostrando nossa qualidade e o que melhor temos a oferecer – nossos quartos exclusivos, uma experiência única e completa de entretenimento – o que nós fazemos? Autossabotagem Apelamos para piadas de duplo sentido, totalmente pejorativas e machistas em sua grande maioria ou ainda utilizamos propagandas explícitas que, além de não agradarem à maioria do nosso próprio público, ajudam a criar ainda mais repulsa daqueles que não são nossos consumidores.

Agindo assim fica difícil aumentar a nossa fatia do bolo, muito pelo contrário, fazendo isso vamos matar em longo prazo o nosso negócio e diminuir cada vez mais o nosso mercado consumidor. Por isso pergunto: se investimos tanto em uma renovação estrutural e organizacional, por que não colocá-la em primeiro plano na comunicação do motel? Nós vendemos suítes, experiências, uma gastronomia moderna… Evoluímos tanto ao longo dos últimos anos e precisamos deixar que o público saiba disso! Eu estou fazendo a minha parte, e você?

Eusebio Ribeirinha

Diretor da Lorens Hotelaria e Presidente da ABMOTÉIS
eusebio@lorens.com.br