Conheça o perfil de Marcos Queiróz

Sem stress!

Conheça o perfil de Marcos Queiróz, que administra mais de 15 motéis e leva a vida numa boa!

Nascido no Recife e proprietário de uma grande rede de motéis em Pernambuco, Marcos Queirós, mais conhecido como Marquinhos, recebeu nossa equipe para contar um pouco sobre seus 54 anos de vida e dedicação ao segmento moteleiro. Acompanhe a seguir a entrevista completa:

O que você fazia antes de ser moteleiro?

Meu pai vendia whisky. Sustentou sete filhos vendendo de porta em porta. E foi assim que eu comecei a trabalhar. Sempre fui vendedor. Era comerciante.

Qual seu grau de escolaridade?

Cursei até a 7ª série e “levei pau”. Hoje acredito que estudar ajuda muito na parte teórica. Se a pessoa tem um tino comercial, sendo formada, ela une as duas coisas. É muito válido.

Por que escolheu ser moteleiro e como iniciou sua carreira no segmento?

Nunca fui uma pessoa invejosa, mas na época eu tinha um armazém de construção em Itamaracá, e um amigo meu, Napoleão, do Hotel Paraíso, tinha muitas coisas: jet ski, lancha… Era uma pessoa muito organizada. Então conversei com ele, e foi ele quem me incentivou a entrar nesse ramo.

Qual foi seu primeiro motel?

Comecei em uma cidade chamada Itapissuma (PE).

Você se considera um influenciador no segmento?

Muitos empresários que tinham somente um motel passaram a ter quatro, cinco ou mais, pois viram que se esse “maloqueiro” aqui consegue, então por que ele, empresário, não poderia conseguir? Então isso entusiasmou a concorrência e hoje o segmento no Recife é muito bom! Hoje em dia é tudo muito mais concorrido, mas de melhor qualidade.

Como você enxerga seus concorrentes?

Trato meus concorrentes como meus irmãos. Se descubro algo novo, eu passo pra eles, e assim a gente cria uma boa concorrência e ninguém fica pra trás. Todos melhoram. Um dos meus concorrentes, Carlinhos (do Lemon), que é um grande empresário, foi muito corajoso. Ele fez uma coisa muito boa pelo segmento, que foi aumentar o valor das estadias, valorizando a hospedagem em motel.
Na minha opinião, o Lemon é o nome mais forte no segmento. Ele conseguiu fazer com a marca uma coisa inacreditável! Hoje eles têm esse perfil, são vistos como os melhores. Minha filha, por exemplo, quando vem a São Paulo, quer comprar na Oscar Freire pois é uma região muito famosa e conhecida por seus artigos de luxo, já eu compro na 25 de Março. (risos). Não olhe seus concorrentes com maus olhos, pois sempre que ele melhorar ele te estimula a melhorar também. Eu não escondo nada de ninguém, pode ir lá me visitar que eu conto todos os meus segredos.

capa_ed47b

Muito se diz por aí que você tem talento em investir o dinheiro dos outros. Como você explica isso?

Eu sou viciado em investir em motel. A maior malandragem da pessoa é ser confiável. Nos bancos funciona assim. Quando você vende um valor no cartão, eles de dão em torno de cinco vezes mais em crédito. E também faço com que os negócios girem rapidamente, e assim nasce um novo investimento. Por isso se diz que a gente investe o dinheiro dos outros. Do banco e dos amigos que confiam.

Esse é o segredo pra você ter o número de empreendimentos que você tem?
O segredo de tudo isso não vem só de mim, está ligado a toda uma equipe. O grau de satisfação dos nossos funcionários de uma maneira geral é o que faz render. Às vezes uma obra que demoraria 60 dias pode ser antecipada se tudo for bem conversado, bem sincero. Eles me ajudam, e eu os ajudo.

Alguns motéis no Recife cobram até mais caro do que um motel em São Paulo. O que você acha disso?

Eu acredito que o motel é um lugar diferenciado, para a pessoa esbanjar. Por mais humilde que ela seja, lá ela quer mostrar para a pessoa amada um lugar melhor, para conquistar. Então, por mais simples que seja o motel, se você oferecer algo diferente, vai se destacar. Meu café da manhã, por exemplo, é o melhor do Brasil. E eu não dou, eu cobro caro, pois ele é altamente completo. É melhor cobrar e ter uma coisa de qualidade do que dar uma coisa muito simples.
No Recife nós estamos com esse pensamento. De oferecer produtos de qualidade e também de ganhar dinheiro. E para isso o preço precisa estar compatível com o que é oferecido.

Quantos motéis você tem atualmente?

Não me lembro de cabeça, mas acredito que hoje tenha entre 14 e 16 motéis. Mas só parando pra contar mesmo.

Como administrar tantos motéis ao mesmo tempo com qualidade?

Se eu disser que tenho qualidade hoje em todos eles estarei mentindo. Porém essa é outra etapa que ainda estou buscando. Uma das coisas que preciso fazer é contratar mais funcionários para tomar conta da manutenção. Pra mim, gerente que fica atrás da cadeira mostrando gráficos e desenhos não funciona. Eu acredito que o gerente tem que estar em campo, olhando os pratos que saem, entrando nos apartamentos. Ele tem que ser mais que um supervisor, tem que ser um auditor.
Por eu ter um grupo de motéis muito grande, vou ter duas ou três pessoas para fazer isso, ou seja, olhar um chuveiro entupido, uma cortina que não esteja legal, uma cerâmica da garagem que se soltou, etc. Pra eu conseguir um serviço de qualidade hoje, com mais de 800 suítes pra tomar conta, não é fácil. Por isso digo que meu serviço não é perfeito ainda, mas pretendo que seja pelo menos 50%, pois assim já será um bom negócio.

É verdade que você coloca o seu número de celular em todos os seus cardápios nos motéis?

Sim. E meu telefone é ligado 24 horas por dia. Todos os clientes têm contato direto comigo. Às vezes meus concorrentes dizem ter o serviço perfeito, mas, na minha opinião, isso não existe. O único que poderia dizer isso no segmento, com pouca modéstia, seria eu, pois tenho contato direto com meus clientes.
Às vezes a gente planeja uma coisa e realmente acredita nela, mas por não ter o contato, a proximidade com o cliente, a gente não sabe o que realmente está acontecendo. Quem quiser ter uma empresa de sucesso tem que ter esse retorno do cliente. Alguns clientes ligam pra elogiar, outros para reclamar, e tem gente que liga só pra ter certeza de que é meu telefone mesmo. Essa é uma forma até indireta de você obrigar o seu funcionário a agir de forma correta, pois eles sabem que o cliente pode a qualquer momento falar comigo diretamente. Podem ligar! Meu número é (81) 9981-6969.

capa_ed47c

Você tem sócios?

Não tenho tempo de prestar atenção em todos os motéis e, nos que tenho sociedade, eu invisto e só recebo o meu no final do mês, eu nem vou lá! (risos).
No Rhodes tenho três sócios: Neto, Pixoto e Rui (do Eros Motel). No Cristal (da Rua Imperial) meu sócio é Ivanildo, que chamo de Alemão. Ele já tentou me vender os 50% que ele tem do motel, mas eu já disse que nem se ele quiser me dar eu não aceito. Ele vai ter que me aguentar para o resto da vida!
A sociedade mais nova é no Intense (Caruaru), que estará entre os três melhores da cidade. Somos quatro sócios: eu, Pixoto (do Eros), Neto e Daniel Pessoa.

Como gerir tantos motéis? Como é a sua equipe de gestão?

Eu só me meto no início. Não entendo essa vaidade besta de falar que é dono sozinho. É preciso falar dos sócios. Eu não faço nada sozinho, tenho ajuda dos meus sócios, de alguns gerentes e governantas pra administrar todos os motéis. Além disso, minha esposa é meu braço direito. Rosinete, desde que eu comecei, cuida de todas as finanças do grupo.

De que forma você diferencia seus motéis dos concorrentes?
Meus motéis oferecem a melhor comida. Fui um menino muito pobre e não tinha muito o que comer em casa, então todos os pratos que eu ofereço nos motéis são aprovados por mim. Só dou ao meu cliente o que gostaria pra mim. Pratos não muito requintados, como, por exemplo, o bife de tira (que é o miolo da picanha). Nosso cardápio é simples, e os preços são compatíveis.

Além disso, fico pensando 24h por dia em como movimentar o motel. Seja através de sites de desconto ― como o Guia de Motéis, Clube do Motel, Peixe Urbano ―, campanha de outdoor, etc. Você traz o cliente, mas também precisa ter novidades. É preciso inventar, criar, inovar! Outro ponto importante é que o nível de satisfação dos meus funcionários é altíssimo. Cada funcionário é um empresário dentro do seu motel. Meus funcionários são meus amigos, atendem os clientes com “calor”, com dedicação, com verdade. É muito importante a valorização dos funcionários.

O Nordeste vem se destacando com vários motéis. Você acha que os Nordestinos estão um passo à frente do resto do País?

Antigamente eu diria que comparar o Recife com São Paulo seria como comparar João Buchudo com Jesus Cristo. Há uns 10 anos atrás São Paulo estava totalmente atrasado, porém alguns novos grupos que surgiram, como o de Toninho (do Harmony) e outros, estão com a qualidade muito boa! Eles utilizam um material muito mais sofisticado. Estão de parabéns!

Fale sobre os seus mais novos empreendimentos.

Estou com mais três sócios em um motel em Caruaru, comprei também um no bairro do Ibura, no Recife, que estou reformando e abrirá daqui a 60 dias, e está pra surgir um novo investimento em Jaboatão dos Guararapes, próximo a alguns motéis de meus concorrentes, pois eu gosto de estar junto de quem é bom!

Qual é a coisa mais importante em um motel?

A qualidade do serviço e a satisfação dos funcionários.

Qual é o maior erro de um moteleiro?

Tratar mal os funcionários.

Qual foi o seu maior erro?

Errei muitas vezes tentando melhorar, mas a intenção sempre foi evoluir.

E seu maior acerto?

O maior acerto foi construir um motel junto do melhor da cidade!

Como se mantém atualizado sobre as tendências do mercado?

Visito feiras, vejo revistas e sou muito amigo de vários concorrentes meus, então sei o que eles estão fazendo também.

O que você acha da concorrência baseada em preços?

Geralmente o motel se sobressai não por ser o mais barato, mas, sim, por ser o mais caro. O povo gosta do que é caro.

capa_ed47d

Motel tem que ser caro?

Sim, motel tem que ser caro, pois só assim ele pode propor algo de qualidade para os clientes. Tenho alguns motéis que tem preço mais baixo, pois há cliente de todos os perfis, mas sei que algumas pessoas, mais humildes, às vezes juntam dinheiro o mês inteiro pra passar algumas horas em uma suíte luxuosa.

Como você acha que é visto pela sua equipe de colaboradores?

Eu tento entender o universo dos meus trabalhadores. Esses dias fui ao mercado pra comprar só um complemento para o mês e gastei R$ 400,00. Imagine a dificuldade que é uma pessoa viver com um salário mínimo.
Conheço proprietários de motéis que não dão sequer a refeição para o funcionário. Dão uma cesta básica. Daí o funcionário leva pro cliente uma comida deliciosa, mas não pode usufruir de uma coisa feita por ele. No meu motel eu vendo sanduíche por R$ 0,50, uma Coca-Cola por R$ 1,20 e as refeições do cardápio para eles têm desconto de 50%. Em épocas como o Natal, antes do dia 20, eles já estão com seu 13º e com o salário do mês. É preciso se colocar no lugar deles. Às vezes a pessoa já está cheia de problemas vindos de casa, e isso acaba refletindo no trabalho. Você tem que trabalhar com o emocional do cliente interno, que é seu funcionário. Fazendo bem pra eles eu estou fazendo bem pra mim.

O que você acha dos motéis se adequarem para receber os turistas para eventos como a Copa do Mundo?

Em todos os meus motéis eu já ofereço diária, mas acho que estão fazendo muito rebuliço para um evento que dura só 30 dias. Não acho válido. A tendência do mercado é essa: se o mercado está aquecido, a diária de R$ 200,00 passa pra R$ 400,00. Foi assim no Carnaval. Aluguei quase 85% dos quartos e deveria ter alugado 100%, pois, ao contrário do que pensam, as pessoas vão pra se divertir, pra brincar, pra beber e esquecem e ir ao motel.

O que você costuma fazer em suas horas vagas?

Eu vivo meu trabalho 24h por dia, mas não tenho preocupação em estar dentro dos meus motéis. Se eu tiver que ir pra Argentina ou pro Chile, se quiser passar o dia na praia, eu vou. Meu celular está ligado o dia todo. Quem vai usar as suítes dos motéis são meus clientes, não sou eu. Quem trabalha muito não tem tempo pra ganhar dinheiro.

A vida é dura?

Não. A vida é maravilhosa! Você tem que olhar as coisas ruins e transformá-las em boas.Um dia desses um ladrão assaltou um dos motéis e levou R$ 30 mil. Vamos supor que eu tenha 30 mil clientes por mês. Eu aumentei R$ 1,50 o valor de cada. No primeiro mês eu já ganhei R$ 15 mil, já no outro mês eu juntei R$ 45 mil. Eu estou vibrando por esse ladrão que me roubou (risos). Praticidade é tudo na vida! Simples como comprar bolacha.

Fotos: Daniel Froelich

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *